WikiLeaks, Julian Assange e os “hacktivistas”

12/12/2010

Wikileaks é uma organização transnacional sem fins lucrativos, sediada na Suécia, que publica, em seu site, posts de fontes anônimas, documentos, fotos e informações confidenciais, vazadas de governos ou empresas, sobre assuntos delicados. Seu fundador Julian Assange, se tornou uma pessoa de destaque por ser o representante desta entidade e a “cara” da organização perante à mídia e ao mundo.

Em abril de 2010, a WikiLeaks postou, no website Collateral Murder, um vídeo feito em 12 de julho de 2007, que mostrava civis iraquianos sendo mortos durante um ataque aéreo das forças militares dos Estados Unidos.

Em julho do mesmo ano, a organização ganhou maior visibilidade mundial, ao divulgar o Afghan War Diary, uma compilação de mais de 76.900 documentos secretos do governo americano sobre a Guerra do Afeganistão.

No mês de outubro 2010, em articulação com grandes organizações da mídia, a WikiLeaks publicou um pacote com quase 400.000 documentos secretos, denominado Iraq War Logs, reportando torturas de prisioneiros e ataques a civis pelos norte-americanos e seus aliados, na Guerra do Iraque.

Em 28 de novembro de 2010, publicou uma série de telegramas secretos de embaixadas e do governo estadunidense. Dois dias depois, em 30 de novembro, a pedido da justiça da Suécia, a Interpol distribuiu em 188 países uma notificação vermelha, ou seja, um chamado àqueles que souberem do paradeiro de Julian Assange para que entrem em contato com a polícia – o que equivale aproximadamente a uma ordem internacional de prisão. Isso porque, em agosto, duas mulheres suecas denunciaram Assange por violência sexual.

Em 1 de dezembro de 2010, a WikiLeaks anunciou que a Amazon o expulsara dos seus servidores, onde estava hospedado desde que começaram os ataques contra seu hospedeiro sueco, Bahnhof, em 28 de novembro, o que tornou o acesso instável. Quando, no dia 1º, os servidores da Amazon pararam de responder aos pedidos de acesso, a WikiLeaks ficou indisponível durante várias horas. O senador americano Joe Lieberman, que também é chefe do Comitê de Segurança Interna do Senado dos EUA, informou que a decisão da Amazon atendia a pedidos de membros do congresso americano. Segundo o senador, “a decisão da companhia Amazon de cortar a WikiLeaks agora é a decisão correta e deveria estabelecer o padrão para as demais”, referindo-se aos demais servidores onde a WikiLeaks tem documentos armazenados.

No dia 3 de dezembro de 2010, após o EveryDNS retirar o domínio http://wikileaks.org/ do ar, o WikiLeaks pediu através do Twitter que ajudassem a equipe, criando mirrors (espelhos) do site. O novo site foi movido para http://wikileaks.ch/, hospedado na Suíça e aproximadamente 507 espelhos em todo o mundo foram criados. Uma lista de sites-espelho pode ser encontrada em http://wikileaks.ch/mirrors.html. No mesmo dia, o site ficou disponível oficialmente também através dos domínios http://wikileaks.de/, http://wikileaks.fi/ e http://wikileaks.nl/.

Discuções sobre uma suposta censura do WikiLeaks por parte do Twitter começaram a surgir por volta de 5 de dezembro de 2010, motivadas pela inexistência de Trend Topics relacionados ao WikiLeaks recentemente, quando era claro que era um assunto muito comentado na semana. O Twitter respondeu, afirmando que não há qualquer ação de censura ou apologia ao WikiLeaks por parte deles, explicando ainda como funciona o algoritmo usado para determinar se um assunto é uma tendência.

Ataques de crackers aos sites da MasterCard e Visa

Os ataques de hackers aos sites da MasterCard e Visa tiveram início na quarta-feira de 8 de dezembro de 2010 quando crackers do Grupo Anonymous danificaram a rede de computadores das empresas de cartões de crédito MasterCardVisa, em retaliação ao bloqueio de doações para o site WikiLeaks.

A seguir, alguns dos vídeos polêmicos divulgados pela organização:

Abaixo, um gráfico com o aumento em 2010 pela busca por Wikileaks e assuntos relacionados:

Fonte: Wikipedia
Anúncios

Personal Democracy Forum (Parte 2): simpósio sobre Wikileaks e Liberdade na Internet – PDF Leaks 12/11/10

12/12/2010
Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

Personal Democracy Forum (Parte 1): simpósio sobre Wikileaks e Liberdade na Internet – PDF Leaks 12/11/10

12/12/2010
Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.


Construção de sites e hotsites para corretores de imóveis e imobiliárias. Somos especializados em planejar e desenvolver projetos de internet para o mercado imobiliário.

16/11/2010

A DiGiTAL_in – planejamentos e projetos online, é uma empresa especializada em desenvolvimento de soluções web para imobiliárias e corretores de imóveis. Com experiência neste setor, realiza estudo e planejamento de soluções para internet com ferramentas que potencializam o aparecimento do site nas primeiras posições no resultado natural do Google (parte central do site que não é paga).

Para proporcionar ao internauta uma ótima experiência de navegação, desenvolvemos ainda ferramentas de atendimento online, mecanismos eficazes de organização dos empreendimentos, possibilidade de inserção de textos, fotos e vídeos, buscas por palavras-chave, categorização de acordo com a necessidade do cliente (apartamentos, casas, terreno,  locação, venda e etc), formulário de envio para contatos e tira-dúvidas, compartilhamento em redes sociais como Facebook, Orkut e Twitter, integração com o Google Maps e outras soluções a pedido do próprio cliente.

Para complementar este tipo de trabalho, contamos com designers que entendem as necessidades do setor e sabem criar desde logos e comunicação visual para sua empresa/marca até um layout completo para sites e hotsites (solução para internet voltada para lançamentos de empreendimentos).

Abaixo, alguns exemplos de projetos  digitais específicos para o mercado imobiliário desenvolvidos pela DiGiTAL_in:

 

 

Entre em contato conosco que atenderemos prontamente a sua solicitação desde a criação de sites ao desenvolvimento de campanhas Adwords (links patrocinados) no Google.